A Nova Direção proposta aqui é uma retomada de rumos já tomados pela Igreja. resgatar valores antigos, mas sem perder o contato com a realidade atual. A mensagem de Jesus continuará relevante, mesmo que seque a erva e murche a flor.
Tudo o que vem dele, é permanente.
O amor de Cristo por nós, sua Palavra, suas promessas e sua posição única no topo do universo, continuam sendo as mesmas, aconteça o que acontecer na base. Se for preciso, vamos mudar o rumo e voltar atrás, para bem longe da cauda.
Mostrando postagens com marcador Família. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Família. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Pesquisas mostram pacientes casados tendo maior probabilidade de resistirem a cirurgias de risco.


Mais uma vez a Bíblia mostra que tinha razão ao afirmar, que não é bom para o homem viver só. Livro de Gênesis, durante o relato bíblico sobre a criação.
................

FONTE: Yahoo

As pessoas casadas são mais propensas a se recuperar depois de uma cirurgia cardíaca do que aqueles que são divorciadas, separadas ou viúvas - informou nesta quarta-feira uma pesquisa norte-americana.
O estudo, publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), foi baseado em dados de mais de 1.500 pessoas.

Dois terços eram casados, 12 por cento eram divorciados ou separados, 21 por cento eram viúvos e dois por cento nunca foram casados.
Indo para a cirurgia, os participantes casados já tendiam a ser mais saudáveis do que os outros participantes.

E após a cirurgia, "o estado civil foi significativamente associado à morte ou a uma nova incapacidade funcional", disse o estudo.

"Os participantes divorciados, separados ou viúvos tinham aproximadamente 40 por cento maiores probabilidades de morrer ou de desenvolver uma nova incapacidade funcional durante os dois primeiros anos após a cirurgia cardíaca em comparação aos participantes casados".
Após a cirurgia, 19 por cento dos participantes casados morreram ou desenvolveram uma nova deficiência, em comparação a 29 por cento das pessoas divorciadas e 34 por cento dos participantes viúvos.

Um em cada cinco dos que nunca haviam se casado ou morreram ou tiveram complicações pós-cirurgia - que os deixaram incapazes de realizar uma atividade diária comum, como se vestir, andar ou comer.
"Essas descobertas estendem trabalhos anteriores que sugeriam vantagens de sobrevivência pós-operatório para pessoas casadas e podem estar relacionados ao papel dos apoios sociais em influenciar as escolhas dos pacientes de hospitais e auto-cuidado", disse o estudo.
As descobertas sugerem "que o estado civil é um preditor de sobrevivência e recuperação funcional após cirurgia cardíaca".

domingo, 10 de agosto de 2014

Dia dos pais

Me parece que o conceito de família está morrendo, mas ainda há tempo de reagir.

Algumas escolas aboliram a comemoração do dia dos pais e das mães e passaram a comemorar o dia daqueles que cuidam de mim.

Aqui em casa ainda existe isso. Ganharei beijos, abraços, presentes e derramarei algumas lágrimas de tanta felicidade, como ocorre a quase 40 anos. Lembro-me como se fosse ontem o tão aguardado primeiro dia dos pais.

Estas pessoas não sabem o significado da palavra Pai ou mãe, não tiveram pais que sabiam ser pais. Se tivessem não tentariam destruir o conceito e impedir que outras crianças perdessem esta experiência.

Um de meus filhos, assentado ao meu colo disse, quase chorando:

— pai, eu não quero crescer.
— por que, filho?
— eu não posso perder este colinho tão gostoso.

Perdi o fôlego, tentei congelar a cena, eternizar o tempo, sei lá. Só sei que emudeci por um longo minuto sem voz e os olhos marejados.

De vez em quando ligo a maquina do tempo e fico entorpecido, quase bêbado, parado, saudoso e lacrimejando .....

Infelizmente aconteceu, já tentei segura-los no meu colo, mas já não dá mais. Felizmente a felicidade se renova com os netos.

O que farão conosco, os avós?

Espero que não nos tirem esta felicidade. Se fizerem isto, pode me levar, Jesus, me tira daqui. Não me deixe ver mais esta.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Educação cristã terceirizada

Sobre a frequência a um local de culto, embora necessária hoje, reafirmo que a Sinagoga não tinha a sua existência justificada pelas Escrituras. Elas passaram a existir apenas durante o cativeiro Babilônico, a destruição da Jerusalém e de seu Templo. Até esta data todo ensino religioso era ministrado dentro dos lares (Dt. 6.4).

Jesus participou de reuniões nas sinagogas e não temos nenhum preceito bíblico condenando ou incentivando a sua construção. Isto faz com que não seja necessário nenhum panelaço, movimento paredista ou revolucionário.

O que havia era o Templo em Jerusalém, para o qual o adorador deveria estar votado durante suas orações. Muitos moravam bem ao norte das terras bíblicas e não frequentavam semanalmente um local de culto, pois seria uma impossibilidade provocada pela distância e precariedade dos meios de transporte da época.

Uma das tribos, que habitavam além do Jordão, construiu um altar, pois temiam que seus filhos, devido a distância, não recebessem o ensinamento correto das Escrituras.

Embora a sua motivação fosse boa, o restante de Israel, reagiu com agressividade a este ato. Mandaram um exército pedir satisfações àquela tribo, o que evitou um verdadeiro massacre. Este episódio quase trágico bem demonstra como a centralidade co culto era considerada tão importante em Israel.

Quando se fala de assumir a orientação espiritual de nossos filhos, nossa resposta foi sempre a mais fácil, isto é, elencar uma entidade ou pessoa para ser a responsável pela a educação secular e religiosa de nossos filhos.

Ensine você o caminho onde eles devem andar.

Ubirajara Crespo

Educação de filhos, Família

domingo, 25 de dezembro de 2011

A encarnação total


EM JESUS A ENCARNAÇÃO FOI ALÉM DA PELE.


Ele encarnou o amor, a paz, o Domínio prtóprio, a misericórdia

E se crermos faremos as mesmas coisas que ele fazia.

Watch live streaming video from naosnews at livestream.com

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ainda dá pra ser feliz

Respeite a realidade do outro.

Retirado deste livro de Cleydemir de Oliveira Santos
Todos têm sua história, suas frustrações, as marcas que ficaram. Aprenda a conviver com o outro na ótica do outro. Tem uma máxima interessante em alguns grupos de casais: ninguém se casa enganado e ninguém muda ninguém. Se usarmos a “história meio ao contrário” como base, imagine a pastorinha que nunca saiu dos campos da fazenda em que seu pai trabalhava, vivendo agora nos palácios do Príncipe Encantador? A questão não é o dinheiro de cada um, mas a realidade interna que trará reações absurdamente distintas entre si em coisas que serão comum dali em diante. Há de haver respeito pelo que o outro é: cultura, expectativa, história, emoções, ou haverá muita frustração na relação, mesmo com muito amor.

 Deus não muda o outro por sua causa.

A ação transformadora do Espírito Santo na vida de um homem e de uma mulher, é para levá-lo a se parecer cada dia mais com o criador e prepará-lo para encontrar-se com Ele um dia. Não por minha causa, não por sua causa. Este entendimento egoísta da ação de Deus na história, a partir do umbigo do indivíduo, já me trouxe oportunidades engraçadíssimas, como de uma pessoa que afirmava que ouviu de Deus, que seus problemas conjugais seriam resolvidos em até no máximo 60 dias.

Especulei como pude, e descobri que aquela pessoa acreditava que aquele cônjuge “mau” seria alvo de punição divina e partiria (para a eternidade) naquele tempo determinado. Afirmei para ela que o desafio não era viver sem ele, mas viver com ele. Certamente, o conceito que ela tinha a meu respeito diminuiu quando não partilhei da sua euforia, e não tive mais contato. Sempre os revejo por aí.    

VIDA AMARRADA
 Conta uma velha lenda dos índios Sioux, que uma vez, Bravo, o mais valente e honrado de todos os jovens guerreiros, e Nuvem Azul, a filha do cacique, uma das mais
 formosas mulheres da tribo, chegaram de mãos dadas, até a tenda do velho feiticeiro da tribo...

- Nós nos amamos e vamos nos casar - disse o jovem. E nos amamos tanto que queremos um feitiço, um conselho, ou um talismã...  alguma coisa  que nos garanta que poderemos ficar sempre juntos... que nos assegure que estaremos um ao lado do outro até  encontrarmos a morte.

Há algo que possamos fazer? 

E o velho emocionado ao vê-los tão jovens, tão apaixonados e tão ansiosos por uma palavra, disse:

- Tem uma coisa a ser feita, mas é uma tarefa muito difícil e sacrificada...

Tu, Nuvem Azul, deves escalar o monte ao norte dessa aldeia, e, apenas com uma rede e tuas mãos
deves caçar o falcão mais vigoroso do monte e trazê-lo aqui com vida, até o  terceiro dia depois da lua cheia.

E tu, Touro Bravo, continuou o feiticeiro,

deves escalar a montanha do trono, e lá em cima,
encontrarás a mais brava de todas as águias, e somente com as tuas mãos e uma rede,

 deverás apanhá-la trazendo-a para mim, viva!

Os jovens abraçaram-se com ternura, e logo partiram para cumprir a missão recomendada.
No dia estabelecido, à frente da tenda do feiticeiro, os dois esperavam com as aves dentro de um saco de linhagem. O velho pediu que com cuidado as tirassem dos sacos e viu eram verdadeiramente formosos exemplares.
 
E agora o que faremos? - perguntou o jovem: - as matamos e depois bebemos a honra de seu sangue?

  Ou as cozinhamos e depois comemos o valor da sua carne? - propôs a jovem.
 - Não! - disse o feiticeiro, apanhem as aves, e amarrem-nas entre si pelas patas com essas fitas de couro; quando as tiverem amarrado,  soltem-nas, para que voem  livres.
O guerreiro e a jovem fizeram o que lhes foi ordenado, e soltaram os pássaros. A águia e o falcão, tentaram voar mas apenas conseguiram saltar pelo terreno. Minutos depois, irritadas pela incapacidade do vôo, as aves arremessavam-se entre si, bicando-se até se machucar.

 E o velho acrescentou:
- Jamais esqueçam o que estão vendo; este é o meu  conselho. Vocês são como a águia e o falcão; se estiverem amarrados um ao outro, ainda  que por amor, não só viverão  arrastando-se, como também, cedo ou tarde, começarão  a machucar-se um ao outro. Se quiserem que o amor entre vocês perdure, aprendam a voar juntos, mas jamais amarrados.

 Lenda Entre os Índios Sioux

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

DIA DA CRIANÇA

NOSSA HOMENAGEM AO DIA DA CRIANÇA

 
APELO CONSUMISTA:
 
Eu gostaria imensamente que as pessoas comprassem mais livros da Naós, mas sei que jogar um material deste nas mãos de uma criança, sem pegá-la no colo e explicar as histórias, explorar os versículos e orar com ele, é inútil. 

 O chamado comércio religioso deveria ser todo direcionado neste sentido. O apelo, na maioria dos casos utiliza técnicas de marketing que estimulam o consumismo religioso.

 Nós, editores evangélicos, decidir logo se somos uma empresa ou um ministério.

terça-feira, 24 de maio de 2011

DIA DOS NAMORADOS


Watch live streaming video from naosnews at livestream.com


Até onde Podemos Ir?
Dizem que casamento é como carro: dependendo da quantidade de combustível colocada no tanque, ele terá uma autonomia maior ou menor. Jesus disse à mulher samaritana que ela poderia alcançar um estado de espírito tal que todas suas sedes seriam saciadas e iria mais longe do que tinha chegado até aquele instante em seus casamentos.
As expectativas geradas no espírito são saciadas; mas as expectativas geradas na carne nem sempre são supridas. Jesus é a fonte geradora tanto dos sonhos quanto de seu suprimento.
O que mantém um casamento aceso? Qual é o combustível que dá a ele força para atingir altas quilometragens? Momentos de alegria, o sexo, o dinheiro, as viagens, os filhos, móveis novos e jantares a dois, funcionam como aditivos. O amor deve ser alimentado; caso contrário, morrerá de inanição.
Elementos como a mesmice, a frieza, a indiferença e o silêncio podem provocar sujeira no carburador. Tudo isso pode produzir corrosão e fazer o combustível escoar.
Não é só de compromisso que vive um casamento, muito embora este seja, talvez, um de seus componentes mais importantes. Nessa receita, há ingredientes que somos forçados a engolir: momentos de calor, frieza, fartura, pobreza, alegria, tristeza, entendimento e desentendimento.
A disposição de ambos para fazer os ajustes necessários, entretanto nos faz passar incólumes por todos esses sabores. Costumo dizer a Lídia que ficaremos juntos não apenas até que a morte nos separe, mas também até que o arrebatamento nos aproxime ainda mais definitivamente.

Ubirajara Crespo

segunda-feira, 11 de abril de 2011

MALDIÇÕES OU BÊNÇÃOS FAMILIARES?

A família é sem dúvida alguma uma verdadeira encubadora onde caráter e comportamento são formados. É no lar que sonhos são alimentados, esperanças crescem e potenciais são descobertos e desenvolvidos. Para que tudo isto aconteça, é necessário que antes de mais nada, três componentes básicos de uma família estejam reunidos dentro de um mesmo teto: Deus, pais e filhos. Quando falta um destes, podemos afirmar que temos uma família descaracterizada.

As grandes soluções são bem mais simples do que podemos imaginar. Deus não é complicado. É dele que vêm os sonhos e as esperanças mais dignas e é preciso sonhar os sonhos de Deus para o lar, pois os sonhos de Deus são bem melhores do que os nossos. Os pensamentos de Deus devem ser absorvidos por pais que estejam dispostos a passá-los para seus filhos.

Havia um sonho divino para a família de Abraão: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn.121-3). Há propósitos divinos para a sua família também, querido leitor. Sonhos perdidos precisam ser reencontrados. Mesmo quando desastres provocam desagregações familiares, podemos reconstruir nossa história. Vamos então rever o contrato que Deus fez com a família. Há uma aliança familiar que deve ser assumida definitivamente. Deus tem um objetivo para cada família.

Os objetivos de Deus estão previstos no contrato feito com cada casa. Nos planos do Senhor havia um lugar para a família de Davi e seus descendentes e há um lugar para a sua família também. “Ora, se tu andares perante mim como andou Davi, teu pai, com inteireza de coração e com eqüidade, fazendo conforme tudo o que te ordenei, e guardando os meus estatutos e as minhas ordenanças, então confirmarei o trono de teu reino sobre Israel para sempre, como prometi a teu pai Davi, dizendo: Não te faltará varão sobre o trono de Israel” (1Rs.9.4,5).

Deus tem planos de paz para nós e não de extermínio. Há quem carregue uma espécie de “carma evangélico” e assuma uma atitude de auto expiação, achando que devem sofrer por causa de seus pecados. Jesus já fez isso por nós. No salmo 103 lemos que “Ele não nos trata segundo os nossos pecados”. Infelizmente ficamos afligindo nossas mentes com lembranças do passado. É que os sintomas físicos são bem visíveis e funcionam como espinhos na carne, mensageiros de Satanás que nos atormentam. Devemos tomar posse do perdão, seja qual for o problema que estejamos experimentando.

Não leve a vida tão a sério, você pode se machucar. Brinque mais consigo mesmo, aprenda a ver suas limitações com uma certa pontada de humor. Algumas situações são irreversíveis, não adianta lamuriar. Apesar de ser filho de Deus, sou daltônico (dificuldade para discernir cores). É uma questão de genética.

Já aprendi a conviver com minhas limitações com uma boa dose de humor. Outro dia tinha que tirar umas fotografias para um de meus livros, como a Lidia não estava em casa para me orientar quanto à roupa, resolvi, eu mesmo, escolher as cores. Quando passei pela cozinha, a faxineira, começou a dar risada, pensando que eu estivesse fazendo alguma brincadeira. Eu perguntei: - O que foi???? Depois que ela se compôs, me disse: - não dá para tirar fotografia daquele jeito, pois nada combina. Depois disto arrumei o visual, desci para conferir novamente e fui adiante.


Seus defeitos são para que você não fique soberbo demais com suas qualidades. A casa de Davi foi feita para reinar sobre Israel, mas enfrentava problemas familiares tremendos: incesto, traição, desrespeito, guerras e mortes na família. Havia, no entanto, um propósito a cumprir e para cumpri-lo, Davi não poderia se dar ao luxo de ficar chorando incessantemente em cima do leite derramado. Era uma visão messiânica, pois através desta casa veio Jesus, que era descendente de Davi. Este veio para reinar sobre toda a Terra e sobre todos os povos e o seu trono não terá fim. Assim como a casa de Davi, todas as famílias têm uma história de bênçãos para contar.

Do Livro - Não faça de Seu filho uma arma, a vítima será você.


Assista esta mensagem em vídeo:


terça-feira, 20 de julho de 2010

Resposta da Igreja diante do projeto que regula a disciplina física na criança?

Ingredientes Básicos da Disciplina

Eu diria que o processo disciplinar deve conter dois ingredientes básicos: disciplina física e diálogo. Devemos nos utilizar desses dois componentes em proporções adequadas à idade física e emocional de nossos filhos. Na medida em que vão crescendo, o diálogo deve se tornar o ingrediente mais importante dessa fórmula, até chegar a ponto de ser o único. Essa é uma transição que deverá acontecer gradativamente. Na adolescência, o diálogo deve ser mais freqüente, se não funcionar, talvez seja porque a vara ou o diálogo não foram utilizados nas proporções corretas.

Um dos objetivos da vara é criar certos condicionamentos ou hábitos. No início a criança, sem que haja qualquer grande elaboração mental, aprende que não deve fazer algo porque ao fazê-lo, sente uma batidinha repressora na mão. Isto cria hábitos e reações. A Bíblia, porém, nos ensina a dar razão da esperança que há em nós.

Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós (1Pe 3.15)

Trazendo esse princípio para nosso assunto, precisamos apresentar razões ou motivos pelos quais se deve fazer ou não determinadas coisas. Não custa nada explicar e ele se sentirá honrado e importante. Deixe claro que a vara dói também em você. Não tenha vergonha de chorar com ele.

A vara cria hábitos, mas o diálogo esclarece a respeito dos motivos da disciplina. A criança atinge a fase dos “por quês” e muitos pais não sabem lidar com esses sinais de amadurecimento intelectual. A vara sem diálogo provoca revolta. Até mesmo para uma criancinha apanhar sem saber exatamente por que, pode levá-la, com sua capacidade de raciocínio ainda em formação, a entender que seus pais estão sempre zangados com ela e que não faz nada direito.

Não estou falando somente do tipo de explicação que esclarece o motivo imediato da disciplina. São coisas do tipo: vai apanhar porque quebrou a louça, ou porque não fez seus deveres, ou porque bateu no irmãozinho. Refiro-me às razões últimas da disciplina, as motivações que estão por detrás dessa prática. A disciplina não é motivada por um momento, mas pelo interesse e pelo amor. À medida que seu filho cresce, vai se tornando cada vez mais capaz de assimilar conceitos abstratos, de se fixar em conversas mais longas e sente-se satisfeito quando as respostas são inteligentes.

O problema é que à medida que nossos filhos vão se tornando capazes de conversar, envelhecemos, nos calamos e acabamos criando um abismo de gerações entre nós. O pessoal mais antigo tende a tornar-se fechado e incapaz de compreender esses novos hábitos que se criaram em nossa sociedade. Alguns chegam mesmo a suspirar: “Nos meus tempos...” Ora os meus tempos não passaram, estou vivo hoje e não ando de carroça só para contrariar, vou de metrô, e se possível, de carro.

Para muitos parece ser mais seguro estabelecer uma lista de regras fixas do que tentar entender que os filhos não são mais crianças. Quando eram pequenos, era só mostrar o cinto, que tudo dava certo. Agora que eles pensam e são mais fortes do que eu, como fazer?

Se meus filhos são grandes, não casados ainda, isto não elimina a minha obrigação como pai, de orientá-los, principalmente nesses primeiros passos em sua carreira profissional. Às vezes preciso falar grosso e ser mais incisivo do que o normal. O que garante que eles me ouvirão? O respeito conquistado durante todos esses anos. Em uma fase mais adulta, o respeito, não a dependência, toma o lugar da pressão física. É algo que se conquista. 

Se ainda não conquistou, comece agora, mas saiba que essas coisas geralmente demandam algum tempo. Talvez alguns de nós precisemos começar tudo de novo. Devemos ver menos televisão, olhar mais nos olhos uns dos outros e fazer alguns projetos que exijam a participação de toda a família.

Ubirajara Crespo

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Jesus ou a cadeia? Pode se tornar uma opção.


"QUEM LEVA O FILHO PRA JESUS NÃO VAI BUSCÁ-LO NA CADEIA"


Em pesquisa realizada em março de 2004, pelo IBOPE, entre os psicólogos do Conselho Federal de Psicologia, os entrevistados colocaram o Dr. Içami Tiba como terceiro autor de referência e admiração - o primeiro nacional.

• 1º- lugar: Sigmund Freud;

• 2º- lugar: Gustav Jung;

• 3º- Lugar: Içami Tiba

Palestra realizada pelo Dr. Içami Tiba:

1. A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.

2. O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar com internet, som, TV, etc.

3. Educar significa punir as condutas derivadas de um comportamento errôneo. Queimou índio pataxó, a pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados.

4. É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.

5. Informação é diferente de conhecimento.. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.

6. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer? A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa. A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai determinar que não haverá um passeio, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinqüente.

7. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer.

8. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.

9. É preciso transmitir aos filhos a idéia de que temos de produzir o máximo que podemos. Isto porque na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio: não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.

10. As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é inconseqüente.

11. A gravidez é um sucesso biológico e um fracasso sob o ponto de vista sexual.

12. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga . A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da idéia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve 'abandoná-lo'.

13. A mãe é incompetente para 'abandonar' o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.

14. Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, deve o pai dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele se acalmar e aplicar o devido castigo.

15. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo..

16. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.

17. Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca..

18. Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.

19. Videogames são um perigo: os pais têm que explicar como é a realidade, mostrar que na vida real não existem 'vidas', e sim uma única vida. Não dá para morrer e reviver. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.

20. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.

21. Pais e mães não pode se valer do filho por uma inabilidade que eles tenham. 'Filho, digite isso aqui pra mim porque não sei lidar com o computador'. Pais têm que saber usar o Skype, pois no mundo em que a ligação é gratuita pelo Skype, é inconcebível pagarem para falar com o filho que mora longe.

22. O erro mais freqüente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do universo.

23. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.

24. Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que mostrar qual é o consumo (kWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto isso (seus supostos luxos) incrementará o gasto final.

25. Dinheiro 'a rodo' para o filho é prejudicial. Mesmo que os pais o tenham, precisam controlar e ensinar a gastar.

O palestrante é membro eleito do Board of Directors of the International Association of Group Psychotherapy.


Conselheiro do Instituto Nacional de Capacitação e Educação para o Trabalho "Via de Acesso". Professor de cursos e workshops no Brasil e no Exterior.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Quando a família vacila um estranho se infiltra.


Estranhos na Sala

A família é sem dúvida alguma, um dos fatores mais importantes na formação do caráter de um indivíduo. Predisposições de comportamentos são geradas na infância, no relacionamento com os pais. Imagens, palavras e toques penetram gradativamente no caráter em formação e vão influenciando seu comportamento. É assim que se criam tendências e hábitos. Somos vulneráveis a tudo o que se fala, se ouve e se vê.

A lista de vozes influentes que invadem a casa, pode ser muito aumentada. São parentes, amigos chegados, avós, observadores, cenas furtivas, etc. Sabemos que os meios de comunicação podem exercer profunda influencia na formação das pessoas, e é lá, na intimidade da família que eles chegam. Jornais, revistas, rádio e televisão.

Lembro-me que já quis ser rico como o Tio Patinhas, forte como o Super Homem, criativo como o Batman e inventor como o Professor Pardal. Flash Gordon já me fez sonhar com viagens espaciais e outros heróis quase me fizeram ser guarda rodoviário, caçador de elefantes, agente secreto, piloto de avião, cantor de bolero, capitão de submarino e tantas outras coisas mais.
A alimentação da mente

Creio que muitas destas influências são boas e podem até ser desejáveis, mas temos de formar algumas defesas ao nosso redor. Quanto menos alimentarmos nossas tendências malignas, melhor. É hora de começar uma retroalimentação positiva em nossas mentes. Você já parou para pensar em quantas cenas de adultério, sexo implícito e explícito, violência, sedução, roubo, mentira, traição e endemoniamento acontecem dentro de sua sala ? Já contou quantas pessoas você já viu morrer, confortavelmente sentado no seu sofá ? É gente degolada, esfaqueada, metralhada, mordida, unhada, etc.
Tudo isto, para quem gosta de alimentar a carne, é um bom prato. Da próxima vez que você sentar-se com sua família, leia Colossenses 3.5. "Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza que é a idolatria". Nem sempre o que assistimos na TV, ouvimos no rádio ou lemos nas revistas colabora com esta palavra. Nem tudo o que os meios de comunicação colocam em nossa casa é mau. Cremos sim que é um espaço que como cristãos, devemos conquistar, tanto do lado de lá como do lado de cá do vídeo. Do lado de cá, há botões e controles remotos com os quais podemos mudar o programa sem nos levantarmos da poltrona. Do lado de lá, precisamos de cristãos comprometidos com o Senhor influenciando nas programações.
NOTA: Leia o Livro Não faça de seu filho uma arma, a vítima será você.

Tudo é puro

Todas as coisas quando bem usadas, podem ser tremendamente úteis para a formação de vidas. "Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente quanto a consciência deles estão corrompidas". (Tito 1.15).

Coisas como comida, sexo, bebida, jornais, revistas, televisão, rádio, etc., não são impuras em si mesmas. O problema está no modo como as usamos, pois a impureza está em nossos corações. O puro come, o impuro comete glutonaria; o puro faz sexo, o impuro adultera; o puro bebe, o impuro fica bêbado; o puro vê TV, o impuro alimenta sua lascívia.

Não estou querendo ser chato ou careta, pois acredito que nem tudo o que os meios de comunicação veiculam deve ser jogado fora. O que precisamos fazer conosco mesmos e com nossos filhos, não é limpar o exterior do copo, mas sim o interior (MT. 23.25). Não adianta tomar atitudes extremistas do tipo quebrar a televisão, usar a marreta em cima do aparelho de som ou jogar o vídeo cassete pela janela. Isto é puro legalismo e religiosidade oca. É do coração que procedem as saídas da vida (Pv.4.23).

Ubirajara Crespo

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

JUDAISMO MESSIÂNICO


ENTREVISTA COM MARCOS ANDRADE ABRÃO SOBRE O LIVRO “O FILHO DE ELOHIM”

1. Fale sobre o agir de Deus entre os judeus.

Resposta: O Eterno tem levantado nestes últimos dias o judaísmo messiânico para alcançar o povo judeu, pois o judaísmo messiânico está afinado com o concílio de Jerusalém que foi organizado no primeiro século, ou seja, não obrigar os gentios a circuncidarem, mas respeitar o fato de que um judeu é sempre um judeu e nunca deixa de ser um judeu, mesmo recebendo o testemunho de Yeshua. Quando um judeu aceita Yeshua como o Messias e retorna de forma espiritual para D'us, ele se torna um judeu completo. De fato, na Torah (Pentateuco), o Eterno prometeu que não enviaria profetas incircuncisos para Israel, e assim através do judaísmo messiânico, judeus transmitem as boas novas para outros judeus. O resultando é que um número crescente de pessoas em Israel tem aceitado o testemunho de Yeshua. Porém, a grande restauração espiritual de Israel ocorrerá nos últimos dias, quando o próprio Yeshua se revelará a Israel como está escrito em Zacarias 12:10. Possivelmente ocorrerá na festa de Yom Kipur (dia da expiação ou do perdão), quando todas as famílias em Israel estiverem reunidas jejuando e orando. Após este evento, Yeshua voltará a terra e salvará Israel na batalha de Armagedom, restaurando o trono de David e reinando em Jerusalém sobre Israel e sobre todas as nações da terra. Quanto àqueles, dentre as nações, que receberam o testemunho de Yeshua e se converteram ao Eterno, alguns serão escolhidos e nomeados para governarem as nações da terra, e assim haverá uma recompensa para todos os servos de D'us. A história de José, filho de Jacó, é muito parecida com a história de Yeshua, e como José salvou o Egito e as nações e depois salvou também o seu pai e os seus irmãos, assim também Yeshua se tornou um instrumento de salvação para as nações, mas nos últimos dias salvará os seus irmãos, os filhos de Israel, e restaurará a glória de Israel.

2. Existe a possibilidade de estreitar o relacionamento entre a Igreja e os judeus messiânicos?

Resposta: Sim, na medida em que há uma atitude de respeito mútuo. Assim como os judeus messiânicos não devem obrigar os gentios a circuncidarem, assim também os gentios precisam entender que os judeus não podem largar seu chamado com relação à aliança do Eterno com Abraão. Assim, o judeu ao receber Yeshua não se torna cristão, mas um judeu completo e precisa continuar circuncidando os seus filhos, pois ainda há promessas nos últimos dias para o povo de Israel. Acerca disto lemos no livro de Atos no capítulo 21, quando Tiago encontrou o apóstolo Paulo e disse "quantas dezenas de milhares há entre os judeus que creram (depositaram confiança que Yeshua é o Messias), e TODOS são zelosos da Lei (Torah).

3. Como um judeu messiânico interpreta os 144.000 que se converterão durante a tribulação?

Resposta: Os 144 mil são claramente judeus, sendo 12 mil de cada tribo que serão escolhidos como discípulos especiais do Messias Yeshua, os quais estarão mais próximos dele durante toda a eternidade. Isto não quer dizer, de forma alguma, que sejam os únicos salvos, mas um grupo selecionado para estar numa posição privilegiada com relação ao Messias.

4. Qual é o objetivo do livro Filho de Elohim?

Resposta: Revelar a missão e a pessoa do Messias Yeshua dentro de uma perspectiva bíblica judaica. A B'rit Chadashá (nova aliança - novo testamento) revela Yeshua como o Messias e o Filho de D'us (Elohim), porém mantém a Unidade do Eterno, o D'us e Pai do nosso Senhor Yeshua. Assim, o livro revela o Messias Yeshua de uma forma mais clara e em conformidade com o texto bíblico, além de fornecer uma visão nítida sobre a sua verdadeira natureza como Filho de Elohim. Isto trás uma compreensão mais profunda sobre o sacrifício de Yeshua e um entendimento correto das suas palavras e ensinamentos, tendo como pano de fundo a cultura bíblica judaica. Os versículos citados no livro foram traduzidos em conformidade com os originais (Hebraico, Aramaico e Grego), para realçar ainda mais a verdade das revelações.


5. Porque você colocou em seu livro o título de Filho de Elohim?

Resposta: Porque a palavra Elohim significa D'us, e Yeshua revelou claramente que ele, o Messias, era o Filho de D'us, aquele que foi gerado com o DNA espiritual do Eterno.


Marcos andrade Abrão

terça-feira, 5 de maio de 2009

BÍBLIA HOMOFÓBICA?

O Senado Federal tem recebido nas últimas 48 horas diversas manifestações contrárias à aprovação do PLC 122/06.
Estava prevista uma sessão extraordinária de votação hoje a partir das 11h na Comissão de Assuntos Sociais. Entretanto, depois da grande mobilização popular, com emails e telefonemas pedindo aos senadores a rejeição do projeto absurdo, a pauta de votação foi "extraordinariamente" modificada e transformada para algo que nada tinha a ver: uma simples audiência pública sobre regulamento da ANVISA que trata de práticas farmacêuticas!
É claro que se o povo não estivesse acordado e cobrando dos senadores, a pauta não seria mudada. Assim sempre agem “democraticamente” aqueles que querem forçar o povo brasileiro a engolir os conceitos “democráticos” da elite socialista.

A lei contra a hemofobia, mais uma tntativa de colocar uma mordaça nos discursos bíblicos contra o pecado.

Teoricamente, pode-se afirmar que o “conflito” se dará entre as normas introduzidas no PL 5003/2001 e os valores cristãos que a Bíblia defende.

De modo especial, o “conflito” com as pessoas e/ou entidades religiosas cristãs, ou seja, qualquer pessoa física ou jurídica (igreja) que de alguma forma não aceite que o comportamento homossexual ou a orientação sexual seja uma prática ou padrão social aceitável em qualquer lugar público ou privado.

LEIA OS ARTIGOS SOBRE A CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA:

VEJA A INTEGRA DO PARECER, pela aprovação ao PLC 122/06, da Senadora Fátima Cleide/ PT, no seguinte link:


Cópia de email que enviei às autoridades:

Solicito aos distintos membros do congresso e do senado que rejeitem o texto da lei que fere a constituição, colocando uma mordaça em todos os críticos do Homossexualismo.

Um país democrático não impõe mordaças.

Não se pode tratar críticas como um crime sujeito a penas tão graves como as previstas no texto desta lei.

Não somos contra os homossexuais, mas contra o homossexualismo. Nosso desejo é todos tenham vida plena em Jesus e tudo começa com a confissão do pecado.

Não haverá confissão sem confrontação.

Os homessexuais são pessoas humanas e devem ser tratados como tal, assim como os críticos do homossexualismo.

Se não atuarmos agora, o próximo passo será a liberação da pedofilia.

Ubirajara Crespo

***

quarta-feira, 25 de março de 2009

A Arca de Noé

Huibers constrói réplica de trabalho Noah's Ark ( Arca de Noé - Com a exata dimensão dada na Bíblia).

A porta central maciça no lado da arca de Noé foi inaugurada em meio a multidão de curiosos townsfolk - " eis a maravilha" .

Claro, é apenas uma réplica da arca bíblica, construído pelos holandeses criacionista, Johan Huibers, como um testemunho de sua fé na verdade literal da Bíblia.

A Arca é de 150 cubits longo de 30 cubits alta e 20 cubits largura. Ou seja, dois terços do comprimento de um campo de futebol e tão alta como uma casa de 3 andares.

Modelos de girafas, elefantes, leões, crocodilos, zebras, bisontes e outros animais cumprimentam visitantes à medida que eles s chegam nas principais área de espera da Arca .

Um empreiteiro pelo comércio, Huibers construiu a arca de cedro e pinho exatamente do mesmo material utilizado por Noé.

Huibers fez o trabalho com suas próprias mãos, utilizando ferramentas modernas e com a ajuda ocasional de seu filho, Roy. A construção começou em maio de 2005.

sitantes no primeiro dia ficaram atordoados. «O passado da compreensão", afirmou Mary Louise Starosciak, que passeava de bicicleta com seu marido ao lado da Arca.

"Eu conhecia a história de Noé, mas eu não tinha idéia de como o barco teria sido tão grande, existe espaço suficiente próximo da quilha para umas 50 pessoas, tem cinema, teatro onde as crianças podem assistir a um vídeo que conta a história de Noé e sua arca . Huibers, um homem cristão, disse que espera que o projeto renove o interesse no cristianismo na Holanda, onde a igreja caiu drasticamente nos últimos 50 anos.Agora que estou velho e de cabelos brancos... dá-me tempo para dizer a Esta nova geração (e seus filhos também) sobre todos os seus poderosos milagres. Salmos 71:18 .

quarta-feira, 18 de março de 2009

IDENTIDADE APOSTÓLICA

1Co 12.21-25: E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós.

Os membros do Corpo são distribuídos de forma a colaborar com a sua pureza, propósito e seu bom funcionamento. A figura do corpo humano mostra que até mesmo aqueles membros que escondemos dentro das calças, são tão importantes quanto os que mostramos.

  • Uns rotulam a si mesmos como apostólicos, outros "profetólicos" e alguns se dizem "mestrólicos". Não há base bíblica para identificar o grupo com um dom específico.
  • Dons não formam identidade denominacional, mas em servos.
  • Dons, se concedidos por Deus não destacam indivíduos nem estabelecem hierarquias.
  • Dons interagem, colaboram entre si e levam o Corpo a caminhar sobriamente.
  • Dons fortalecem os outros e não a si mesmo,
  • Dons estabelecem funções e não salários.
  • Dons não enriquecem seus possuidores, mas aos que são servidos por eles.
  • Dons não são instrumento de pressão, mas de descompressão.

Se um dom não for usado desta forma, não vem de Deus, mas procede de homens sedentos de poder. Dotes diabólicos são mais uma tentativa de concentrar o poder nas mãos de pessoas manipuláveis, como Adão, a quem prometeu que seria como Deus.

O Corpo de Cristo não pode abrigar este tipo de gente, mas através de movimentos peristálticos, epulsá-los por lugares que não são considerados nobres.


1Co 15.6-20: Congregaram-se, pois, os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto

A questão da circuncisão foi examinada por um colegiado formado por apóstolos, e presbíteros da Igreja de Jerusalém. Este fato mostra o seguinte:

  • 1. Decisões cruciais não eram tomadas por um único apóstolo, mas por todo o grupo apostólico, mais os presbíteros (pastores) da Igreja local.
  • 2. A participação dos presbíteros mostrava que os apóstolos se submetiam à autoridade da Igreja local.
  • 3. Os apóstolos (supervisores de comunidades extra locais), eram encarregados de comunicar às Igrejas a decisão tomada pelo concílio.
  • 4. A Igreja local, como um todo, era a autoridade máxima no Corpo de Cristo.
Ubirajara Crespo

domingo, 15 de março de 2009

Macho demais para pedir perdão?

  • Quando eu guardei silêncio, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado.
  • Este texto está em Salmo 32. 1-5


É terrivel a sensação de culpa, o temor de ser descoberto e o remorso que acompanha o pecado cometido. O peso da mão de Deus tem o objetivo de inquietar e provocar uma ação reparadora. Este desconforto moral, do qual desejamos ardentemente nos livrar, nos purifica e nos mantém na condição de seres humanos.

  • Como diz o poeta:

Sentimento ilhado morto e amordaçado volta a incomodar.

  • É humanamente impossível amordaçar definitivamente a revolta, o trauma ou a mágoa. Abafados em estado cataléptico, acabam ressussitando. Não esconda a sensibilidade, permita que o seu coração seja tocado pela ferida que provocou em otrem.

  • Não tema ser normal, ser gente!!! A consciência cauterizada perde a capacidade sentir, de se arrepender, de pedir perdão e de recomeçar. Passou por uma blindagem moral e nem sequer é arranhada quando pratica o mal, não se importa, não se comove e não gera ações reparadoras.

A incapacidade para preconhecer erros, juntamente com indisposição para perdoar, constituem nas maiores fortalezas mentais já montadas pelo ser humano.

Isto nos torna resistentes à aproximação de Jesus.

Desmonte esta fortaleza o mais rapidamente possível e abra as portas para Jesus dominar o seu ser.

Ubirajara Crespo