A Nova Direção proposta aqui é uma retomada de rumos já tomados pela Igreja. resgatar valores antigos, mas sem perder o contato com a realidade atual. A mensagem de Jesus continuará relevante, mesmo que seque a erva e murche a flor.
Tudo o que vem dele, é permanente.
O amor de Cristo por nós, sua Palavra, suas promessas e sua posição única no topo do universo, continuam sendo as mesmas, aconteça o que acontecer na base. Se for preciso, vamos mudar o rumo e voltar atrás, para bem longe da cauda.

quarta-feira, 18 de março de 2009

IDENTIDADE APOSTÓLICA

1Co 12.21-25: E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós.

Os membros do Corpo são distribuídos de forma a colaborar com a sua pureza, propósito e seu bom funcionamento. A figura do corpo humano mostra que até mesmo aqueles membros que escondemos dentro das calças, são tão importantes quanto os que mostramos.

  • Uns rotulam a si mesmos como apostólicos, outros "profetólicos" e alguns se dizem "mestrólicos". Não há base bíblica para identificar o grupo com um dom específico.
  • Dons não formam identidade denominacional, mas em servos.
  • Dons, se concedidos por Deus não destacam indivíduos nem estabelecem hierarquias.
  • Dons interagem, colaboram entre si e levam o Corpo a caminhar sobriamente.
  • Dons fortalecem os outros e não a si mesmo,
  • Dons estabelecem funções e não salários.
  • Dons não enriquecem seus possuidores, mas aos que são servidos por eles.
  • Dons não são instrumento de pressão, mas de descompressão.

Se um dom não for usado desta forma, não vem de Deus, mas procede de homens sedentos de poder. Dotes diabólicos são mais uma tentativa de concentrar o poder nas mãos de pessoas manipuláveis, como Adão, a quem prometeu que seria como Deus.

O Corpo de Cristo não pode abrigar este tipo de gente, mas através de movimentos peristálticos, epulsá-los por lugares que não são considerados nobres.


1Co 15.6-20: Congregaram-se, pois, os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto

A questão da circuncisão foi examinada por um colegiado formado por apóstolos, e presbíteros da Igreja de Jerusalém. Este fato mostra o seguinte:

  • 1. Decisões cruciais não eram tomadas por um único apóstolo, mas por todo o grupo apostólico, mais os presbíteros (pastores) da Igreja local.
  • 2. A participação dos presbíteros mostrava que os apóstolos se submetiam à autoridade da Igreja local.
  • 3. Os apóstolos (supervisores de comunidades extra locais), eram encarregados de comunicar às Igrejas a decisão tomada pelo concílio.
  • 4. A Igreja local, como um todo, era a autoridade máxima no Corpo de Cristo.
Ubirajara Crespo