A Nova Direção proposta aqui é uma retomada de rumos já tomados pela Igreja. resgatar valores antigos, mas sem perder o contato com a realidade atual. A mensagem de Jesus continuará relevante, mesmo que seque a erva e murche a flor.
Tudo o que vem dele, é permanente.
O amor de Cristo por nós, sua Palavra, suas promessas e sua posição única no topo do universo, continuam sendo as mesmas, aconteça o que acontecer na base. Se for preciso, vamos mudar o rumo e voltar atrás, para bem longe da cauda.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Existe espaço para o homossexual na Igreja?

Homossexuais podem ser aceitos como membros da Igreja


A sexualidade humana é uma das áreas mais complicadas e incômodas para o desenvolvimento e manutenção da nossa santidade. Não sejamos hipócritas, nem tentemos enganar a nós mesmos, dizendo que, este problema não aflige homos e heterossexuais, com a mesma intensidade.

Não deveria haver espaço para a prática do homossexualismo, para a fornicação, para a mentira, para a hipocrisia, para o medo, para anagressividade, para o ódio e para o suborno, mas deveria haver espaço para o pecador.

Provoca secreções de fluidos corporais, desejos, reações automáticas naturais ou artificialmente implantadas. Impulsos sexuais movimentam pedaços do Corpo masculino, programados para esticar e penetrar em orifícios lubrificados pela natureza. 

Este mesmo processo é usado para fazer com que um pênis penetre em orifícios que não foram feitos para suportar, esta fricção, sem dano, exigindo o uso de produtos químicos lubrificantes. 

Considero a homossexualidade como uma anormalidade, e não convidaria um casal de homossexuais para participar da mesa do Senhor. Usaria mesmo critério com qualquer um, que estivesse aprisionadado a qualquer outro tipo de pecado. A participação na ceia é um dos instrumentos de pressão para a manutenção da santidade.

Não sejamos hipócritas ao ponto de usar menor rigor ao tratar o pecado heteros do usamos ao tratar do pecado do Homo. Não devo excluir da comunhão, alguém que é tentado, mas aquele que cai na tentação, seja ela de que natureza for. Quem disse que a soberba é um pecado menor do que o adultério e que a fornicação hetero é mais suportável do que a homo ?

Não consigo enxergar na Bíblia uma justificativa para deixar de batizar alguém, que crê, apesar de sofrer tentações, sejam elas de que origem forem.

Já se vão quase 50 anos de vida cristã e ainda sou tentado a responder asperamente, a me envaidecido, a responder asperamente, etc... E olha, que sou pastor, e se aparecer algum pastor aqui, dizendo, que não é tentado, eu direi, sem medo de errar, que é um mentiroso.

Tentação não é pecado, mas ceder a tentação é uma escolha consciente, e se a sua queda for inconsciente, você precisa ser internado.

Jesus foi tentado, mas foi carimbado pelo Pai, como aquele, que jamais pecou.

Ubirajara Crespo