A Nova Direção proposta aqui é uma retomada de rumos já tomados pela Igreja. resgatar valores antigos, mas sem perder o contato com a realidade atual. A mensagem de Jesus continuará relevante, mesmo que seque a erva e murche a flor.
Tudo o que vem dele, é permanente.
O amor de Cristo por nós, sua Palavra, suas promessas e sua posição única no topo do universo, continuam sendo as mesmas, aconteça o que acontecer na base. Se for preciso, vamos mudar o rumo e voltar atrás, para bem longe da cauda.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Universalismo, o barco que leva todos para o Céu

Existencialismo religioso

Mais perigosa do que a admissão da culpa e da perdição é ignorá-la. A admissão do erro é o primeiro passo rumo à Salvação, enquanto ignorá-la é o último. Colabora com isso, a posição universalista, que baseada apenas na misericórdia de Deus, não exige conversão, arrependimento, mudanca de vida e nada mais. Seu Deus não é justo, é apenas amoroso. Justiça não é qualidade, é violência. Se a declaração papal de que basta permanecer fiél ao seu credo religioso, seja ele qual for, estiver correta, todos serão salvos.

Islamitas radicais encontraram justificativas no alcorão para suas práticas assassinas e são fiéis a elas. Satanistas, bruxos, oculistas e religiões de mistério são fiéis ao que suas entidades pedem, inclusive o sacrifício humano. Até o ateu é fiel à sua crença não religiosa.

Lembro ainda, que uma das doutrinas mais marcantes dos teólogos alemães, como Kirkegard e outros é o sentido conotativo das palavras, ou seja uma reinterpretação do significado de expressões como redenção, céu, inferno, etc.

O que é Céu para um, pode ser inferno para outro. Pregações dos adeptos desta teologia nunca dão uma definição específica destas palavras, embora as usem correntemente, mas não corretamente. Não há significados absolutos dentro do existencialismo.

Segundo esta mesma escola, não é no dicionário que devemos buscar o significado de palavras com amplas definições, mas na sua própria mente, emoção e impressão.

Claro, quem ouve o discurso final de um teólogo existencialista, não leu os compêndios teológicos dos seus mestres. Eles acreditam no subjetivismo das suas interpretações pessoais. Se acham capazes decidir que porções das Escrituras é palavra de Deus ou não.

Esta teologia crê que a Bíblia apenas contém a Palavra de Deus. Quais porções contém, fica por conta de cada um. Sartre e Pascal são defensores desta regra de interpretação cujos métodos são extremamente subjetivos. Como esta escola prima pela interpretação pessoal, a Teologia liberal criou uma colcha de retalhos doutrinária muito extensa. Todos concordam com as discordâncias, menos com a interpretação mais tradicional, que entende haver apenas uma única verdade. O sentido conotativo engoliu a verdade absoluta e construiu o relativismo.

Esse pessoal criou um deus segundo a sua imagem e semelhança, muito flexível e adaptável às necessidades humanas. São eles que enviarão milhões de pessoas para o inferno, e não Deus, ele apenas abre a porta, mas não antes de oferecer a Vida Eterna.

A perdição e todos os grandes desastres pessoais são fruto de nossas escolhas. Respiramos a poluição que nós mesmos construímos....

Ubirajara Crespo